EXPOSIÇÃO VIRTUAL

Oficina de Gravura

Exposição coletiva “O Ateliê de Gravura do SESC Pompeia”

SESC Pompeia – Rua Clélia, 93 – São Paulo (SP)

Período: 15/03 a 16/06/2013

 

A oficina de gravura do SESC Pompeia como parte integrante de oficinas dessa unidade – desde sua origem – foi pensada não só como um espaço físico, livre e aberto destinado às práticas de uma experiência gráfica, mas também como um lugar destinado à reflexão e aos questionamentos de um trabalho a ser realizado no âmbito das artes plásticas e visuais.

Como introdução aos conteúdos apresentados, foi proposto a cada participante a possibilidade de estabelecer um elo entre um projeto pessoal de trabalho e o aprendizado da gravura pelos valores estéticos intrínsecos à sua linguagem, às técnicas, seus procedimentos, às práticas e a sua história no Ocidente.

Ou seja, a gravura e seu desenho.

Sua origem.

Sua origem no ato ancestral do corte em matéria dura e o objeto gravado.

Objeto gravado como depósito, por excelência, de muitas mensagens ao longo da história, matéria prima de memória e atualização que, em algum momento de seu percurso foi percebido como matriz e depois intuído, imaginado e utilizado como molde para reprodução e multiplicação dessas mensagens em outros suportes, figurando assim como novidade, e que, a partir de então, foi conhecido como gravura de estampa. O corte como traço. Meio poderoso de transmissão de conhecimento pelo texto e pela imagem, essas estampas foram amplamente veiculadas e são relevantes também como expressão de arte, quando associadas às questões de estética e do senso artístico.

Propondo, entretanto, uma aproximação à gravura como “meio de expressão original”, nosso trabalho nessa oficina espera oferecer a cada participante e aos interessados a oportunidade de realização de um trabalho criativo pelo cultivo desse meio expressivo. Trabalho livre e espontâneo, contemplado pela experiência estética, ou seja, pela tomada de consciência desta práxis.

A oficina permanece aberta à atualização dos processos, aos artista convidados, às contribuições espontâneas dos estudiosos que nos visitam com frequência, bem como ao diálogo constante entre os participantes, este o principal e primeiro móbile desta ação e razão deste trabalho.

 

Evandro Carlos Jardim

Coordenação e Assessoria

 


Meus trabalhos falam do universo feminino, dos sonhos de criança, do olhar curioso guardado na memória, da vida no campo, do cheiro molhado da terra, da alegria de viver.
Falo dos momentos de solidão, do olhar para a imensidão do universo e para além das coisas. De momentos vividos, não vividos, das tramas do mundo, do ser humano. Criar, para mim, é uma necessidade.